Cadastre seu e-mail para receber as atualizações deste blog.

incluir retirar

21 de mai de 2017

Você viraria a cadeirinha com seu filho de cabeça para baixo? Mãe faz teste e post viraliza

Rachel McNara compartilhou imagens levantando o equipamento com o filho voltado para baixo e virando-o de ponta cabeça.

Imagens do post compartilhado por Rachel McNamara (Foto: Reprodução Facebook)
Uma mãe norte-americana encontrou uma maneira diferente de chamar a atenção para a importância de prender corretamente o bebê à cadeirinha no carro. Rachel McNamara compartilhou duas fotos segurando o objeto de ponta cabeça com seu filho preso nele para simular o que aconteceria se o carro capotasse.
Na legenda, Rachel escreveu: “Depois de colocar seu filho na cadeirinha, pergunte-se se você estaria confortável em virá-la de ponta cabeça. Lembre-se que a fivela do peito deve estar na altura das axilas e as tiras devem estar apertadas o suficiente para que não seja possível apertá-las com um dedo apoiado no peito da criança”.
O post da norte-americana foi compartilhado mais de 49 mil vezes, o que fez com que ela complementasse o texto com uma atualização. “Não estou dizendo que os pais devem virar os filhos de ponta cabeça antes de todos os passeios de carro”, escreveu. “Apenas que eles devem estar confiantes de que a criança estará segura se o banco virar em um acidente. Acho que é uma ótima representação visual e mostra o quão importante é o uso adequado da cadeirinha”. Tentamos entrar em contato com Rachel para mais informações, mas até a publicação desta matéria, ela não havia respondido.
No Brasil, a ONG Criança Segura é uma das principais responsáveis por divulgar a importância do uso da cadeirinha. Em um guia disponibilizado pela instituição, destaca-se que o bebê conforto deve estar sempre voltado para a traseira do veículo e de preferência posicionado com inclinação de 45°. "A posição de costas e a inclinação são necessárias, pois entre 0 e 13kg (até mais ou menos 1 ano de idade), a coluna e os ligamentos do pescoço ainda não suportariam o peso exercido pela cabeça no momento de uma colisão, no caso do bebê estar de frente para o movimento", lê-se.
Fonte:

Nenhum comentário:

Postar um comentário