Cadastre seu e-mail para receber as atualizações deste blog.

incluir retirar

23 de mai de 2017

Participação de Irene Rios no Seminário de Percepção de Risco no Trânsito, em Blumenau

Escola do Legislativo oferece Seminário de Percepção de Risco no Trânsito



A Câmara de Blumenau, por meio da Escola do Legislativo Fritz Müller, realizou, na tarde desta quarta-feira (17), o Seminário de Percepção de Risco no Trânsito. O evento, que aconteceu no plenário do Legislativo municipal, faz parte da programação do Movimento Maio Amarelo na cidade. O seminário contou com as presenças da chefe de gabinete da Presidência da Casa Legislativa, Silmara Silva, que na ocasião representou o presidente Marcos da Rosa (DEM), da assessora da Escola do Legislativo, Patricia Turcati e da vereadora mirim de Blumenau, Eyshela Suzana Martins, representante da Escola Básica Municipal Patrícia Helena Finardi Pegorim. Servidores municipais, representantes de entidades e autoridades do município também participaram do evento. 

A primeira palestrante Irene Rios, da Câmara Catarinense do Livro, refletiu e debateu sobre as consequências da violência viária e sobre procedimentos para melhorar esta situação. Trouxe o tema “Minha escolha faz a diferença no trânsito”, adotado pelo Movimento Maio Amarelo e estabelecido, neste ano, pelo Departamento Nacional de Trânsito (Denatran). Refletiu o porquê e como educar para a segurança no trânsito. “A educação para o trânsito é um direito nosso e está na Constituição da República. O poder público deve estabelecer políticas públicas para trabalhar a educação para o trânsito. Nós temos o direito de ir e vir com segurança. Não podemos achar que o que acontece no trânsito é normal”, sustentou, apresentando dados do Ministério da Saúde (DATASUS) sobre mortes ocorridas no trânsito em Santa Catarina de 2003 a 2015. 

Em outro momento, sustentou que a sociedade precisa tratar das causas da violência viária, por meio de três pilares: a educação, a fiscalização e a engenharia, para que haja mais segurança no trânsito. “A fiscalização é importante e necessária, mas apenas punir não está resolvendo. É preciso trabalhar a educação para o trânsito com qualidade dentro das questões que estão por trás das infrações de trânsito, como a imperícia, a cultura, os valores e a percepção de risco, mostrando a utilidade dos equipamentos de segurança, a importância do uso de cinto de segurança, a maneira segura de transitar”, destacou, apresentando algumas estratégias de como educar para o trânsito. 

A educadora de trânsito do Laboratório de Transportes e Logística (LabTrans) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Regina de Andrade apresentou o Projeto Escola – “Percepção de Risco no trânsito”, desenvolvido a partir de 2006, como parceria entre a universidade, o laboratório e o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT). Ela explicou que o projeto iniciou atendendo os educandários situados nas áreas de abrangência das rodovias federais com a atuação do DNIT, e a partir daquele ano foram selecionadas quatro escolas para fazer parte do projeto-piloto, inclusive uma em Blumenau. Atualmente são 11 municípios contemplados em Santa Catarina e está atuando em 18 escolas municipais e estaduais. 

“É um projeto permanente, que atua na sala de aula, onde os professores ensinam o conteúdo curricular e são capacitados para desenvolverem o tema trânsito de forma transversal dentro de cada disciplina. As crianças são ensinadas a perceber os riscos e as ameaças presentes no trajeto casa-escola”, disse, apontando que é um instrumento para a conscientização e promoção de mudança de comportamento no trânsito de crianças, pais, professores e comunidade. 

Por fim, explicou como são as fases do projeto, com o planejamento, entrega de material didático, capacitação, implantação nas escolas e acompanhamento e monitoramento. Também explicou que o projeto, atualmente, está atualizado com base nas diretrizes para a Educação no Trânsito do Ensino Fundamental do Denatran e adiantou algumas propostas a serem estudadas. 

Representante da superintendência de Santa Catarina do DNIT, lotado no setor de Serviço de Operações, Pedro Granada, apresentou a palestra intitulada “Ações Educativas no Trânsito”. Ele explicou os quatro tipos de medidores eletrônicos de velocidade existentes e a competência do DNIT em trabalhar com o tipo fixo, divido em dois grupos. Também apresentou o número de faixas monitoradas no Brasil, em Santa Catarina e em Blumenau. Também apontou dados que, com a operação de equipamentos em 2014, houve a redução no número de acidentes, mortes e de feridos nas rodovias federais em relação aos anos de 2004,2007, 2010 e 2014. Em outro momento, o palestrante mostrou vários casos de vandalismo em equipamentos controladores de velocidade, sejam radares ou barreiras eletrônicas, que desencadeou a iniciativa de promover ações e atividades visando a educação no trânsito, evitando também estas questões. Apresentou o Projeto Escola do DNIT, seus objetos e atividades desenvolvidas com alunos do Ensino Infantil e Ensino Fundamental das escolas situadas nas áreas de abrangência das rodovias federais com a atuação do órgão. 

O coordenador de Projetos do Laboratório de Transportes e Logística (LabTrans) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Flávio de Mori, apresentou algumas ações, projetos e metodologias futuras, por meio de parcerias entre o DNIT e a universidade, que as escolas podem aplicar, no sentido de trabalhar com as pessoas, principalmente com as crianças para que elas tenham atitudes e comportamentos seguros no trânsito. “As pessoas precisam ter a consciência de que se deve respeitar a legislação, tornando o trânsito mais seguro com menos acidentes e mortes. Os cidadãos precisam respeitar a si mesmos para depois respeitar a vida do próximo”, salientou, acrescentando que a convivência no trânsito deve ser pacífica e a sociedade deve agir de modo a não prejudicar o outro. 

Logo após a apresentação das quatro palestras, os ministrantes ocuparam a mesa dos trabalhos para debater os temas apresentados e responder as dúvidas e questionamentos dos participantes, que se manifestaram na tribuna da Câmara. 

Os certificados de participação serão disponibilizados pela Escola do Legislativo a partir da primeira semana de junho, na sala 215, da Câmara de Vereadores de Blumenau. 

Fonte: Assessoria de Imprensa CMB com informações da TV Legislativa de Blumenau
Foto: Jessica de Morais | CMB




Nenhum comentário:

Postar um comentário