Cadastre seu e-mail para receber as atualizações deste blog.

incluir retirar

27 de fev de 2016

GRUPO: Educação para a Segurança no Trânsito

https://www.facebook.com/groups/667224380075334/

Vamos discutir e compartilhar a educação para a segurança no trânsito?

Participe do grupo no Facebook: Educação para a Segurança no Trânsito. Para acessar, clique aqui.

Queda no pagamento de indenizações do DPVAT

A seguradora Líder, responsável pelo seguro obrigatório DPVAT, pagou em 2015, 652.349 mil indenizações por acidentes de trânsito em todo o Brasil. Esse resultado é 15% menor que no ano anterior. A maior queda foi registrada na cobertura de morte (19%), seguida de reembolso por despesas hospitalares (18%) e invalidez permanente (13%). Em valores, as indenizações chegaram a R$ 3,381 bilhões no ano passado.

Para o diretor-presidente da Seguradora Líder-DPVAT, Ricardo Xavier, a queda é um reflexo de uma fiscalização mais efetiva. “Os efeitos da Lei Seca e a conscientização sobre o uso de equipamentos de segurança no trânsito. No entanto, nossas ruas, estradas e avenidas produzem por dia muitos feridos, inválidos e mortos todos os dias. Temos que investir agora na educação do cidadão no trânsito para que o número de acidentes reduza mais ainda”, afirmou.

De acordo com os dados, as indenizações pagas por acidentes de motocicletas (497.009) são 76% do montante pago. Dos acidentes por motocicleta, 83% geraram algum tipo de invalidez permanente, 4% acabaram em morte e 13% resultaram em reembolso hospitalar. No caso dos automóveis, foram 124.267 indenizações pagas (19%). Caminhões e pick-ups geraram 17.973 (3%) e ônibus, micro-ônibus e vans 13,1 mil (2%).

O balanço revelou ainda que, do total das indenizações pagas, 416.413 (64%) foram destinadas aos motoristas, 118.156 (18%) para passageiros e 117.780 (18%) para pedestres. O levantamento ainda indicou que 74% das vítimas indenizadas são homens e 24% mulheres. As pessoas entre 18 a 34 anos são as que mais aparecem entre as indenizadas (51%). Quando analisadas as regiões, o Nordeste concentrou 33% das indenizações. O Sudeste registrou 29%, o Sul 18%, enquanto o Norte e o Centro-Oeste concentraram 10% cada.

Segundo os dados, a arrecadação total paga pelos proprietários de veículos somou R$ 8.654 bilhões em 2015, sendo que 50% foi destinado por lei para a União. O restante foi gasto com despesas de indenização, constituições de provisões técnicas para pagamento de indenizações futuras e despesas administrativas.

Com 16,92% da frota nacional, a região Nordeste concentrou 33% (213.726) das indenizações pagas no ano passado. Já a região Sudeste, que tem 49,21% da frota, respondeu por 29% (192.724) das indenizações. A região Sul correspondeu por 18% (116.613) das indenizações pagas e tem 19,69% da frota. A região Norte e a Centro-Oeste tiveram, cada uma, 10% (cerca de 65 mil) das indenizações do Seguro DPVAT em 2015, cada região conta com 5,08% e 9,10% da frota de automóveis nacional, respectivamente.

DPVAT
Para receber o seguro basta ir até um dos mais de oito mil postos de atendimento existentes no país, reunir a documentação necessária de acordo com a cobertura, preencher o pedido de indenização e entregar os papéis.

O seguro oferece cobertura por morte (R$ 13.500), invalidez permanente (até R$ 13.500) e reembolso por despesas médicas e hospitalares (R$ 2.700). Mais informações podem ser conseguidas na página da seguradora ou pelo telefone 0800 022 1204. As agências próprias dos Correios também recebem pedidos de indenização do Seguro DPVAT. Os Sindicatos dos Corretores de Seguros de todo país, também possuem postos de atendimentos gratuitos.

Resultado financeiro
 A arrecadação total do Seguro DPVAT, pago pelos proprietários de veículos automotores, somou R$ 8.654 bi no ano passado. Por lei, 50% desse dinheiro vai direto para União, via transferência bancária automática, no ato do pagamento da apólice do seguro, que destina 45% para o Sistema Único de Saúde (SUS) e 5% para o Denatran. Cada órgão recebeu R$ 3,894 bilhões e R$ 432,8 milhões, respectivamente.

O total arrecadado para operação do Seguro DPVAT foi de R$ 4,326 bilhões, sendo R$ 3,381 bilhões gastos com despesas de pagamento de indenizações. Ainda há despesas com a constituições de provisões técnicas para pagamento de indenizações futuras e despesas administrativas e com impostos, como PIS e COFINS. O lucro das seguradoras consorciadas é estabelecido por lei em 2%, que, depois do Imposto de Renda e da Contribuição Social, fica em 1,2%.



26 de fev de 2016

Santarém sediará Feira de Educação e Segurança no Trânsito

Está confirmada para os dias 2 e 3 de março de 2016, no Centro Municipal de Informação e Educação Ambiental (CIAM), a primeira etapa da I Feira de Educação e Segurança no Trânsito. O encontro vai contar com a presença da educadora e mestre em Educação e Segurança no Trânsito Irene Rios, referência nacional no assunto, com obras já publicadas a respeito dessa temática.

A promoção do evento é da Prefeitura de Santarém, por meio da Secretaria Municipal de Mobilidade e Trânsito (SMT) e Secretaria Municipal de Educação (SEMED). A solenidade de abertura será das 09h às 11h30, no dia 02/03. À tarde e durante o dia 03/03, haverá capacitação sobre a matéria, com disponibilidade de 40 vagas, prioritariamente destinada a agentes de órgãos públicos que atuam na segurança pública e trânsito.


A segunda etapa da Feira será desenvolvida durante a programação do aniversário de Santarém, que acontece no mês de junho. Nessa etapa será feita uma exposição de carros envolvidos em acidentes, fotos e depoimentos de familiares de vítimas fatais. O local da segunda etapa, também, já ficou definido. Será no Parque da Cidade.

A coordenação está a cargo das Divisões de Educação de Trânsito da SMT e SEMED. (PMS).
 

18 de fev de 2016

Avaliação do Condutor Infrator

De fato entendo a preocupação de melhorar o comportamento no trânsito. Verdade é que precisamos evoluir muito em relação ao comportamento social no trânsito e em outras áreas. Compreendo que precisamos de uma forma de mudar a cultura e implantar uma maneira prática de bom relacionamento interpessoal e intra pessoal no trânsito. enfim, tudo que é pra melhor é válido e é bom. Claro, desde que seja legal.

O que não compreendo é que:

O Curso de reciclagem é uma penalidade. Não é pra formar é pra penalizar a pessoa sobre o mal comportamento aplicado na sociedade pelo motorista infrator. (lembrando que sou a favor de uma sociedade educadora e não que apenas penaliza)

Sendo uma ferramenta para alterar ou melhor condicionar o comportamento, ele deve ser realizado de forma que o condutor sinta que foi pesado, foi pedagogicamente "puxada a orelha" e que entendeu a responsabilidade social.

Pergunto, o que vamos avaliar no condutor infrator com o exame? Ou o que se avalia?

Se ele aprendeu a decorar? Se aprendeu a fazer uma prova? ou se aprendeu que por meio de um exame deve mudar o comportamento? Não sei o verdadeiro sentido de aplicação do exame.

Digo do exame da forma que foi dado pela 285/08. (O condutor aluno reprovado uma primeira vez poderá realizar nova avaliação após 5 (cinco) dias e, se reprovado pela 2ª. vez poderá matricular-se para um novo curso, freqüentando-o integralmente. Caso ainda não consiga resultado satisfatório, deverá receber atendimento individualizado a fim de superar suas dificuldades.)

Qual o objetivo de uma avaliação pedagogicamente? Que mede uma avaliação? Penalizar pra educar? Como funciona isso?

bom, vivemos numa sociedade que prioriza a penalização em detrimento da sociedade da educação.
.
Avaliação faz comparação e/ou declara algo, pois emite valores e juízos. 

Quando se faz a avaliação de um aluno à Primeira Habilitação, o parâmetro medidor revela que este aluno, assimilou bem as informações teóricas da legislação de trânsito em comparação  um grupo ou aluno ou teste. mas não diz que haverá um bom comportamento desse aluno na prática.

Nisso revela que temos a errônea primissia em pensar que avaliar objetivamente uma pessoa, neste caso especifico, lhes dá uma posição de conhecedores da matéria e que será bem sucedido.  

Fiz um teste com alguns alunos candidatos á Primeira Habilitação, que obtiveram boas notas e portanto aprovados. uma semana depois pedi pra que repetissem o teste. a maioria, 90% seriam reprovados. Então o que fez o exame avaliativo de saber objetivo? Nada. Não mudou o conhecimento e nem alterou o comportamento. Não agregou muita coisa. Porque?

A melhor educação é aquela que incomoda e me faz altera o comportamento em relação ao que aprendi. E a melhor avaliação é aquela que verifica a alteração do comportamento.

Exemplo. Aprendi que é proibido estacionar de maneira proibida. Sou educado a estacionar de forma correta. A avaliação pode ser de duas formas. A tradicional = teste objetivo que irá avaliar se eu "conheço" o que aprendi e a dinâmica = prática diária, se eu aplico o que aprendi.

Porém, você perguntaria: e como faria a avaliação dinâmica? Ora, com a reincidência do condutor, com sua conduta, seu prontuário e a várias maneiras de obter esses dados. que poderiam até levar este condutor a novo curso de reciclagem, sem precisar ter a CNH suspensa, Já tá previsto na lei 9.503/97:

Art. 268. O infrator será submetido a curso de reciclagem, na forma estabelecida pelo CONTRAN:

 I - quando, sendo contumaz, for necessário à sua reeducação;

V - a qualquer tempo, se for constatado que o condutor está colocando em risco a segurança do trânsito;

Enfim, precisamos amadurecer e olhar não o trânsito, mas o objeto que o compõe e lhe dá vida, as pessoas. 


 

6 de fev de 2016

Alemanha inaugura primeiro trecho de rodovia para bicicletas



A estrada ao longo da qual a ciclovia está sendo construída, fechada para os carros em um final de semana (Foto: mr.g2003/Flickr)

Cem quilômetros totalmente livres de carros. Essa vai ser a extensão da Radler B-1, quando estiver totalmente concluída. Até lá, porém, os ciclistas já podem usufruir dos primeiros cinco quilômetros, inaugurados no começo do mês.

Além das faixas asfaltadas, a Radler B-1 tem iluminação própria, barreira de proteção e não possui cruzamentos – passagens elevadas e pontes são utilizadas a fim de evitar possíveis acidentes e garantir a segurança dos ciclistas.

Os responsáveis pelo projeto, do grupo de desenvolvimento RVR, acreditam que a infraestrutura beneficiará cerca de dois milhões de pessoas e poderá tirar das estradas alemãs até 50 mil carros por dia. Quando estiver pronta, a rodovia exclusiva para ciclistas vai ligar as cidades de Duisburg e Hamm, passando por universidades e outros oito municípios no caminho.

A pista onde a super ciclovia está sendo construída, a autoestrada A40, já vinha sido fechada há três anos para os carros nos finais de semana. A experiência positiva serviu para mostrar a viabilidade e a necessidade da nova infraestrutura.

Fonte:
http://thecityfixbrasil.com/2016/01/28/alemanha-inaugura-primeiro-trecho-de-rodovia-para-bicicletas/?utm_source=tcfb&utm_medium=facebook&utm_campaign=rodovia-bicicletas-alemanha - Acesso em 06/02/2016.

Segurança no Trânsito: Tempos de Resultados

Curso de Atualização em Legislação de Trânsito, em Balneário Camboriú



Ainda há Vagas! Inscreva-se aqui!

Local do Curso: Hotel Sibara Flat e Convenções
Av. Brasil, 1500 - Centro - Balneário Camboriú - SC
47 3261 5016 - 47 8497 9451
eventos@sibaraflathotel.com.br
 

Data: 19 e 20 de abril de 2016.
Horário: das 8:00 às 12:00 e das 13:30 às 17:30.
Carga horária: 20 horas aula

Público Alvo:  Gestores e agentes de trânsito, policiais, instrutores de CFC e demais interessados nos temas.

Conteúdos

1. ATUALIZAÇÃO EM LEGISLAÇÃO DE TRÂNSITO – As 28 Leis que alteraram o CTB e a Medida Provisória 699/15 – 05h/a;

2. PENALIDADES e MEDIDAS ADMINISTRATIVAS – Cap. XVI e XVII do CTB e principais Resoluções vinculadas - 05h/a;

3. PRINCIPAIS INFRAÇÕES DE TRÂNSITO – Cap. XV do CTB e principais Resoluções vinculadas, especialmente a 371/10 e atualizações e 561/15 (Manuais Brasileiros de Fiscalização de Trânsito, Vol. I e II) – 05h/a;

4. PROCESSO ADMINISTRATIVO – Cap. XVIII do CTB e principais Resoluções vinculadas - 03h/a;

5. CRIMES DE TRÂNSITO – Cap. XIX do CTB e Res. 432/2013 – 02h/a.

* Poderá haver alguma flexibilização nas horas aulas previstas, dependendo do interesse da turma por determinado tema, aprofundando o estudo.

Docente

Tenente Coronel Ordeli Savedra Gomes
Bacharel em Direito; Pós-Graduando em Gestão e Legislação de Trânsito; Especialista em Segurança Pública; Professor de Legislação de Trânsito em Instituições de Ensino Superior, como a Unisc e Faculdade Dom Bosco; Palestrante e Autor dos livros: Código de Trânsito Brasileiro Comentado e Legislação Complementar – 11ª Ed, 2016, Ed. Juruá/PR e Código de Trânsito Brasileiro com Comentários Especiais para Concursos – 4ª Ed, 2016, Ed. Juruá/PR, dentre outros do tema; Observador Certificado da 1ª Turma do Observatório Nacional de Segurança Viária e Coordenador do Movimento Internacional Maio Amarelo no RS . Comandou Pelotões, Companhias e o 3º Batalhão Rodoviário da Brigada Militar, ao longo de doze anos e foi Assessor Superior de Segurança no Trânsito, no Comitê Estadual de Mobilização pela Segurança no Trânsito – Gabinete do Vice-Governador do RS, além de ter sido instrutor da temática trânsito na Academia de Polícia Militar e nos cursos regulares da Brigada Militar.

Investimento: R$ 390,00

No valor está incluso coffee break (período vespertino)

Os participantes receberão certificado de participação.


Formas de pagamento
1. Depósito Bancário
Banco do Brasil
Agência: 2638-7 - Conta: 38842-4
Favorecido: Instituto Ousar Comércio e Serviços Ltda Me.
2. Boleto Bancário 
3. Empenho


A confirmação da inscrição acontece após o envio do comprovante de pagamento, ou do empenho, pelo e-mail: transito@institutoousar.com.br.

Instituto Ousar
institutoousar@gmail.com
irene@ilhamagica.com.br
Fone: (48) 8496-1702 (48) 3246-8038