Cadastre seu e-mail para receber as atualizações deste blog.

incluir retirar

15 de mar de 2015

O Trânsito em Matemática


Irene Rios


A Matemática está cada vez mais presente na vida cotidiana das pessoas, visto que precisamos com frequência calcular, comprar, pagar, receber entre outras operações. No trânsito não é diferente, pois a matemática está presente: nas estatísticas sobre a frota de veículos, número de acidentes e de vítimas, no cálculo das despesas com as vítimas de acidentes, para determinar a distância entre o local de origem e de destino que se vai transitar, entre outras situações comuns no cenário do trânsito, as quais podem ser representadas, a partir de dados numéricos, em tabelas ou gráficos.

Rozestraten (2004, p.22) Cita como sugestões de atividades: Todo o sistema métrico de espaço, peso e tempo, distâncias e velocidades, frequência de usuários de ônibus, dentro de um determinado tempo ou a densidade de veículos dentro de um determinado espaço, o cálculo do combustível gasto em uma viagem. 


Segundo o autor, é possível também, na elaboração de problemas matemáticos, contextualizar situações que envolvem o trânsito e suas característica.


Há milhares de problemas matemáticos que podem ser feitos na base de trânsito. Um problema muito importante é o da distância de frenagem, que tem sua parte psicofisiológica e sua parte física, que dependem de velocidade e de peso, sendo maior num caminhão do que num carro de passeio. Outro problema é da distância de segurança entre dois carros para evitar colisões traseiras. (ROZESTRATEN, 2004, p.22 a 23).

A seguir apresentamos alguns exemplos de conteúdos que envolvem problemas matemáticos que estão interrelacionados com algumas situações que ocorrem no trânsito.

Conteúdos 1: subtração com números naturais e cinto de segurança
.


Este modelo de atividade pode ser realizada para fixar os conteúdos matemáticos referente as “quatro operações matemáticas”. Ela pode ser desenvolvida aumentando ou diminuindo o grau de dificuldade, conforme o nível dos alunos. Os números não precisam estar na sequência, sendo ainda, possível envolver vários conteúdos de matemática. Nestes jogos os alunos têm maior facilidade em assimilar o conteúdo pois aprendem brincando.

Conteúdos 2: Divisão, subtração, multiplicação e fração com números naturais, congestionamento, atropelamentos, faixa de pedestre, cuidados no trânsito, agentes de trânsito, gentileza, bicicleta, entre outros.

Descubra a solução

260 moradores do condomínio Estrela iam sozinhos de carro para o trabalho. Resolveram dar carona uns para os outros, colocando quatro pessoas em cada carro. Quantos carros deixaram de circular no trânsito?
195 carros

2. Havia 144 casos de atropelamento ao ano em frente à Praça Central.  Após a sinalização da rua com faixa de pedestre apenas 1/3 destes atropelamentos continuaram acontecendo. Houve a diminuição de quantos atropelamentos?
96 atropelamentos a menos

3.  A coordenadora deveria orientar todos os estudantes da escola sobre os cuidados no trânsito. Pela manhã, ela orientou 1/3 dos estudantes; à tarde, conseguiu fazer 3/5 dos restantes. Que fração do serviço ainda precisa ser feita?
4/15

4.  Em frente a uma repartição, pública dois agentes de trânsito cuidam da segurança no trânsito, um há três anos e outro há dois anos. O diretor da instituição resolveu gratificá-los dividindo entre eles a quantia de R$ 600,00 em partes diretamente proporcionais aos tempos de serviço de cada uma. Quanto recebeu o guarda municipal mais antigo?
R$ 360,00

5.  Em uma escola há 217 bicicletas estacionadas pertencentes aos alunos do 7º, 8º e 9º ano do Ensino Fundamental. O 8º ano possuem o dobro de bicicletas do 7º e o 9º o dobro do 8º. Qual o número de bicicletas pertencentes ao 7º ano?
31 bicicletas

Nestas atividades os professores poderão:
  • Escolher as atividades adequadas aos conteúdos trabalhados.
  • Interpretar e debater os conteúdos dos textos.
Como visto, a inclusão do trânsito na disciplina de Matemática é viável. No entanto, para que a educação para o trânsito aconteça, não basta efetuar cálculos e operações matemáticas e representá-las em tabelas ou gráficos, o mais importante é analisar e refletir sobre os dados coletados e as informações obtidas, oportunizando o debate e a manifestação de opiniões a respeito do assunto.

Referências

RIOS. Irene. Guia Didático de Educação para o Trânsito. Ilha Mágica. São José/SC, 2012.
ROZESTRATEN, Renier J. A. Psicopedagogia do trânsito: princípios psicopedagógicos da educação transversal para o trânsito para professores do Ensino Fundamental. Campo Grande UCDB, 2004.

Mulheres são menos multadas que os homens e tornam o trânsito mais seguro


O crescimento do número de mulheres motoristas é uma tendência irreversível. Elas estão aprendendo a dirigir para trabalhar, atender a família e até para dirigir profissionalmente. Por isso, é cada vez mais comum encontramos mulheres guiando táxi, ônibus e até caminhão.

Ao contrário do que muitos homens imaginam, mulheres são multadas proporcionalmente menos que os homens. No Rio Grande do Sul elas são 31% dos motoristas mas responsáveis por apenas 22% das multas, já os homens ficam com 78%. No Nordeste, onde o número de mulheres ao volante era muito baixo no passado, a presença feminina no trânsito também vem crescendo.
Mesmo quando multadas as mulheres cometem infrações de menor gravidade, tanto no Brasil como exterior. O que levou uma seguradora britânica especializada em motoristas mulheres, a Sheila’s Wheels , a propor que o Governo crie faixas exclusivas para mulheres nas rodovias mais movimentadas para garantir a segurança das motoristas. A iniciativa é decorrente do resultado de estudos que demonstram que as mulheres são mais vulneráveis nas estradas porque os homens dirigem de forma perigosa.
Dados do Departamento Britânico de Transportes indicam que em 2012 os homens estiveram envolvidos em 114.190 acidentes e as mulheres 70.470. O mesmo relatório indiciou que os motoristas homens são penalizados quatro vezes mais por infrações graves que as mulheres, o que explica a vulnerabilidade das mulheres transitando na mesma pista que os homens.
Com já mencionamos aqui, apesar de representarem mais de 30% dos motoristas em circulação no Brasil, das 763 mil vítimas de trânsito indenizadas pelo DPVAT em 2014, 75% eram homens e 25% mulheres.
No Paraná do total de motoristas que tiveram a carteira suspensa em 2014 por atingir 20 pontos, os homens representam 74% e as mulheres 26%.
As mulheres costumam ser mais cuidadosas no trânsito, raramente são flagradas dirigindo embriagadas. Não costumam dirigir em excesso de velocidade, fazendo manobras arriscadas ou pilotar moto sem capacete. As infrações mais frequentes do público feminino são dirigir falando ao celular e estacionar em local proibido.
As mulheres tem um papel educativo que não pode ser desprezado. Na prática a maioria das crianças ainda tem as primeiras lições de segurança no trânsito com suas mães. Aprendem como se comportar como pedestres, passageiros de veículos e na sociedade moderna as crianças tem como referência de motorista modelo uma mulher: a sua mãe. Por isso, a responsabilidade das mulheres para um trânsito seguro assume outra proporção.
Infelizmente, existe uma tendência de crescimento de infrações graves cometidas por mulheres ao volante, mas apesar disso, a simples presença feminina no trânsito pode estimular os homens a dirigirem de forma mais prudente e gentil e as crianças a serem pedestres e motoristas mais cuidadosos.
Por fim, há de se reconhecer que as mulheres criam tornam o trânsito mais agradável e menos hostil.
Rodolfo Alberto Rizzotto
Formado em Direito e Economia, coordena o programa de segurança nas estradas SOS Estradas e edita o site www.estradas.com.br, onde é possível acompanhar os temas de seus artigos também em arquivos de áudio, disponíveis para download.


9 de mar de 2015

Indenizações pagas pelo DPVAT aumentaram 20% em 2014

Mariana CzerwonkaPortal do Trânsito

Indenizações DPVAT
O número de indenizações pagas pelo seguro obrigatório, o DPVAT, aumentou 20% no ano passado ante 2013, totalizando 763.365 pagamentos, de acordo com os dados da Seguradora Líder, responsável pelo seguro. Os casos de invalidez permanente continuam sendo a principal causa de pagamento do seguro, com 78% dos registros no período, equivalente a  595.693 indenizações. Esses casos tiveram um aumento de 34% em relação ao ano anterior.


As indenizações pagas por mortes e despesas médicas tiveram um decréscimo na comparação com o ano anterior de 5% e 14% respectivamente.

Segundo o levantamento, foram pagas 52.226 indenizações por morte, que representaram 7% do total. Além de 115.446 indenizações por despesas médicas, equivalente a 15% do total.

Os pagamentos das indenizações correspondem, segundo a Líder, às ocorrências em 2014 e em anos anteriores, uma vez que o prazo prescricional é de três anos para solicitar o benefício do seguro DPVAT.

De acordo com a Seguradora Líder, a diminuição do número de mortes está relacionada à adoção de equipamentos e políticas de segurança, como uso do cinto, airbag, redução da velocidade nas vias e a Lei Seca. No entanto, ressalta que na categoria das motos há um aumento de indenizações por invalidez permanente a cada ano.

Indenizações pagas a motociclistas

Segundo o estudo, 76% das indenizações pagas foram para acidentes envolvendo motocicletas, que representam atualmente 27% da frota nacional. "As motocicletas substituíram a locomoção por animal nas áreas rurais do Brasil. Nas grandes cidades, tornaram-se o meio de transporte mais ágil para fugir dos engarrafamentos, mas, justamente, o motorista de moto é quem sofre uma incidência maior de lesões físicas", analisa Ricardo Xavier, diretor-presidente da Seguradora Líder-DPVAT.

Mesmo representando a maior parte dos casos, cerca de 41,2% das motos da frota circulante tem inadimplência do DPVAT por parte de seus proprietários, informa a seguradora.

Perfil dos acidentados

As vítimas, em sua maioria, eram homens, respondendo por 75%, e os outros 25%, mulheres. Os jovens continuam respondendo pela maior parcela dos acidentados. De acordo com a Líder, 24% das vítimas tinham entre 18 e 24 anos; 28%, de 25 a 34; 19%, de 35 a 44; 19%, de 45 a 64; 4% mais de 65; 1% de 0 a 7; e 5% de 8 a 17.

Sudeste é a campeã em indenizações por morte

A região Sudeste concentrou a maior incidência dos acidentes com vítimas fatais (38%), com maior participação dos automóveis (51%). A frota de automóveis da região Sudeste representa 55% da frota nacional dessa categoria e a região concentra 50% do total de veículos do Brasil cobertos pelo Seguro DPVAT.

No Nordeste, que concentrou a segunda maior incidência (28%), a participação das motocicletas é maior: representaram 59% das indenizações por morte na região. O Nordeste concentra apenas 17% do total de veículos do país, sendo que a sua frota de motocicletas representa 27% da frota de motocicletas do país e 44% do total de veículos da região.

No Norte, foram registradas 8% das indenizações por morte no período analisado, sendo que 57% foram por acidentes fatais envolvendo motocicletas. A região concentra apenas 9% da frota nacional de motocicletas, porém essa categoria representa 49% do total de veículos da região.


Recursos

Dos recursos arrecadados pelo Seguro DPVAT, 45% são destinados ao Sistema Único de Saúde (SUS) para ajuda no custeio do tratamento de vítimas do trânsito. Em 2014, esse valor ficou em R$ 3,8 bilhões alta de 5,6% ante o ano anterior.

Fonte:

Curso de Direção Segura - Técnicas e Conceitos de Direção Defensiva

O curso tem como objetivo auxiliar na prevenção de acidentes, através do aprimoramento de técnicas 

de direção segura e de conhecimentos e conceitos sobre o trânsito.

Veja uma demonstração do curso aqui

A quem se destina

Condutores habilitados de veículos automotores.

Carga horária e conteúdo
Duração: 8 horas, distribuídos em três aulas.
A carga horária deverá ser cumprida em duas semanas, como segue:

Aula 0 - Ambientação da Plataforma Blackboard
  • Publicação do perfil do aluno no ambiente virtual;
  • Apresentação do ambiente virtual de aprendizagem;
  • Dicas de organização do tempo para estudo em ead;
  • Apresentação dos objetivos do curso / introdução da abordagem criativa.

Aula 1 - Conceitos e Técnicas
  • O Trânsito
  • O papel de cada indivíduo no trânsito
  • Direção Segura ou preventiva

Aula 2 - O trânsito em São Paulo e suas conseqüências.
  • Panorama Geral
  • O trânsito e o meio ambiente
  • Segurança (Pedestres, Motociclistas e Condutores de veículos.)

Aula 3 - Cuidados no trânsito para uma Direção Segura.
  • Sinalização (tipos de sinalização)
  • Como evitar Acidentes
  • Dispositivos de Segurança.
  • Condições Adversas
  • Procedimentos em acidentes de trânsito ( Primeiros Socorros).

Avaliação Final de Conclusão de curso

Apoio ao aluno

Durante o curso o aluno contará com o apoio pedagógico de tutores. O atendimento será realizado por telefone, email ou em área definida para este fim no ambiente virtual de aprendizagem.

Método e avaliação

Modelo pedagógico baseado na combinação de atividades colaborativas, aprendizagem orientada pelo tutor e auto-aprendizagem. Durante o curso, o aluno reforça os conceitos aprendidos nas atividades contextualizadas e exercícios de fixação. Ao final, o aluno responde a avaliação composta de questões de múltipla escolha e é considerado apto se obtiver 70% de acerto nesta avaliação.

Inscrições abertas.

Após o envio da inscrição aguarde comunicado por email, com as orientações e a data de início do curso e período de acesso.O inicio do curso não é imediato. A efetivação da matrícula e indicação de turma está condicionada ao número de participantes necessário para sua realização.Mantenha sua caixa postal vazia sob risco de não receber nossas comunicações.

Observações

A CET reserva-se o direito de alterar datas, horários, ou cancelar o programa.
A qualquer momento poderá ser solicitado documentação que comprove as informações prestadas pelo aluno.

Certificação

A CET confere certificado, que será enviado por email aos alunos aprovados no curso.

Para inscrição e acesso ao curso

- Possuir endereço eletrônico (e-mail)

Obs: Cada pessoa ao se inscrever deve informar um e-mail único e válido. Esse e-mail será a forma de contato e o login de acesso ao ambiente virtual. (Para inscrições realizadas pela empresa, cada funcionário deve informar um e-mail)

Inscreva-se para o curso acima


Pare, olhe e siga as regras de segurança!

Desespero no Trânsito: Causando distúrbio orgânico e comportamental



A irritabilidade é o primeiro sintoma manifesto e é quase sempre uma resposta excessiva a esse estímulo de ansiedade no trânsito. É na realidade uma resposta dos sentimentos do indivíduo. Manifesta-se com maior ou menor intensidade dependendo da formação, caráter, personalidade e uma série de outros fatores externos e internos. A complexidade do organismo humano muitas vezes leva a um desequilíbrio que pode ser notado não só pelo indivíduo como por aqueles que estão ao redor.

O aumento do potencial elétrico nas pessoas pode ocasionar perturbações nas funções dos neurotransmissores, por exemplo, e isso ser notado.

Sabemos que torres de celular, antenas de TV e altos níveis de poluição eletromagnética na atmosfera provocam aumento do potencial bioelétrico que é capaz de provocar alterações nas ligações neuronais e baixa produção de serotonina. Esta substância é além de sedativa e calmante, é aquela capaz de elevar o humor e produzir sensação de bem estar.

Na lentidão e no engarrafamento do trânsito com estresse físico, psicológico, social, com desvitalização bioenergética, perde-se o controle dos impulsos, ocorre queda da serotonina que por sua vez reduz os neurotransmissores controladores do comportamento explosivo (diz-se que o indivíduo está com pavio curto).

Outros fatores psicológicos e psiquiátricos como compulsão, transtorno explosivo intermitente (TEI), sociopatias, transtorno obsessivo compulsivo (TOC), depressão, ansiedade, problemas afetivos, agressividade e outros têm baixa produção da serotonina. É essa serotonina elevada que nos mantém alegres, bem humorados, tolerantes e em equilíbrio. É na realidade um dos mais importantes neurotransmissores.

A perda do controle significa que o nível de serotonina está baixo, podemos aí reagir com distúrbios de comportamento dependendo daqueles fatores psicológicos e psiquiátricos e outros fatores pessoais. Podemos chegar à impulsividade, agressividade e a violência verbal, gestual e física. O que, aliás, é hoje muito comum no nosso trânsito.

O distúrbio de comportamento pode manifestar-se também com negligência e imprudência como produto da agressividade. Dar fechada, jogar farol alto, colar na trazeira e por aí vai.

Tudo isso causa no motorista envolvido nesse trânsito louco das grandes cidades, exacerbação do estresse físico, psicológico e social. Nos portadores de um perfil potencialmente psiquiátrico, os surtos patológicos afloram e podem agravar-se.

É uma das causas do Road Rage (fúria no trânsito).

Outros sinais e sintomas podem ser percebidos como:

- taquicardia (batimento cardíaco acelerado)

- taquipnéia (frequência respiratória aumentada)

- extrassístoles (batimento cardíaco irregular)

- elevação da pressão arterial

- dor no estômago

- enjoo

- transpiração (suor)

As que mais sofrem são as pessoas tensas, apressadas e ansiosas.

O quê fazer?

- buscar permanentemente o equilíbrio

- não buscar explicações para o problema

- relaxe

- coloque música ambiente

- sente-se confortavelmente

- faça um alongamento

- mantenha o bom humor

- converse com o passageiro ou o parceiro de infortúnio

- troque gentilezas

- coloque uma alimento doce na boca

Lembre-se que todos que estão no trânsito são parceiros de infortúnio e não inimigos. O autoestímulo, bem como o estímulo de cada um que se encontra na lentidão ou no engarrafamento, seja com um sinal positivo, com uma palavra de conforto, com uma simples brincadeira, uma gentileza serão certamente agentes atenuantes do desgaste físico, mental e social que todos estão vivendo.

Uma conversa, uma brincadeira, pode aumentar a produção da serotonina e sairmos daquela realidade para momentos felizes quando nos ocupamos com outra atividade de lazer.

Dr. Dirceu Rodrigues Alves Júnior

Diretor de Comunicação e do Departamento de Medicina de Tráfego Ocupacional da ABRAMET

Fonte: Abramet

Disponível em: