Cadastre seu e-mail para receber as atualizações deste blog.

incluir retirar

19 de dez de 2011

Como nossos hábitos se expressam no trânsito?

Postado em 15/12/2011 12:50 por Fábio de Cristo 

        

A nossa capacidade de julgar e decidir tem um papel fundamental na nossa vida, pois, assim, definimos conscientemente como, quando e onde fazer as coisas. É por isso que podemos
realizar ou não alguma ação dependendo do quanto estamos dispostos a realizá-la. Nossos comportamentos podem ser explicados, portanto, pela intenção que possuímos em relação a alguém ou a alguma coisa específica. Se eu digo, por exemplo, que vou levar o cachorro para passear na rua, existe grande probabilidade de isso acontecer, afinal, tenho cachorro, coleira e gasolina no carro (ver foto ao lado).
 
Porém, a intenção pode explicar somente uma parcela dos nossos comportamentos. Em muitas situações, existe uma distância grande entre nossa vontade de fazer (intenção) e o que fazemos de fato (comportamento). Isto quer dizer que nossas intenções nem sempre guiarão o comportamento. Por exemplo, a motivação de ir a pé para o trabalho, em vez de ir de motocicleta, nem sempre se concretizará na prática, mesmo que o trabalho seja pertinho de casa e que não esteja chovendo. Outro exemplo é quando planejamos usar o cinto de segurança no banco de trás, que nem sempre se realizará, mesmo que ele esteja acessível e que saibamos que não usá-lo é uma infração de trânsito.
 
Em algumas situações, portanto, parece haver algo em nós capaz de nos manter presos a determinados padrões de conduta; algo que faz nossos comportamentos permanecerem fixos, repetidos ao longo do tempo. Além disso, esse algo parece impedir qualquer mudança concreta, apesar das nossas melhores intenções de mudar. Quem nunca disse ou ouviu as expressões: “não tive a intenção”, “foi sem querer” ou “ops! fiz de novo!”, em tom de arrependimento por não conseguir parar de repetir um comportamento? Mas que algo é esse?
 
O hábito pode ser uma resposta. Como assim? Para ajudar você, amigo leitor, a entender o que é hábito e como ele está presente em nossa vida, especialmente nas situações do trânsito, acompanhe o depoimento do jovem Abílio...
*  *  *
“– E agora, o que fazer?!”, disse a mim mesmo, com uma expressão de angústia e preocupação na voz, após constatar que o meu carro havia enguiçado. Não acreditava no que estava acontecendo. Para mim, após anos dirigindo constantemente, tornara-se natural não pensar na maneira de deslocar-me para a universidade ou qualquer lugar; até aquele momento. Resolvi, então, tentar consertar: empurrei-o para lá e para cá pela garagem, troquei a gasolina, mexi algumas conexões da bateria e... nada. Fiz tudo o que podia dentro das minhas possibilidades de tempo e conhecimento. Após quase 40 minutos de esforço, já cansado, suado e atrasado, concluí que não conseguiria ir à parte alguma. Paralisei e disse para comigo: “– Meu Deus, perdi a reunião!”. Todas as vezes, quando chegava a hora de ir à universidade, eu simplesmente parecia cumprir o mesmo roteiro, como se fosse algo automático: pegava a mochila, a chave e ia até a garagem. Chegando lá, eu entrava no carro, dava a partida e acelerava... Eu já nem pensava mais em como ir aos lugares. Naquele momento, eu estava me sentindo praticamente sem pernas. Conscientizei-me que estava tão conectado ao automóvel que não percebi alternativas, como, por exemplo, pegar um ônibus – a estação fica a menos de dez minutos da minha casa. Subitamente, tudo começou a fazer sentido e o acontecimento me pareceu revelador: a opção por usar sempre o carro, talvez pela facilidade, rapidez e conforto, sem eu me dar conta, há tempos havia se tornado um hábito.
*  *  *
A história de Abílio se assemelha ao que acontece com muitas pessoas no dia a dia, não é verdade? Ela ilustra como nos comportamos quando desenvolvemos um hábito, neste caso, o hábito de dirigir automóvel. Assim, o hábito é um comportamento que, por ter sido repetido muitas vezes ao longo do tempo, se tornou “automático”. Não no sentido tecnológico, como se fôssemos robôs. Na psicologia, um comportamento é automático quando é realizado sem consciência completa, controle total ou mesmo sem intenção de realizá-lo.
 
É importante ressaltar que o hábito, em si, não é nem bom, nem ruim por natureza, mas podemos desenvolver hábitos saudáveis ou não saudáveis, seguros ou inseguros. Desenvolver o hábito de usar o cinto de segurança é algo bom, desejável. O hábito de andar em alta velocidade é algo que não deve ser estimulado. Em tempos de poluição e congestionamento, andar a pé ou de bicicleta pode ser um hábito a ser estimulado, e o de usar o automóvel tem sido cada vez mais desestimulado.
 
Identificar e analisar nossos hábitos no trânsito pode ser uma estratégia importante, tanto para as autoridades quanto para nós, se quisermos mudar nossos comportamentos inseguros no trânsito ou se quisermos construir um padrão mais saudável de deslocamento. Darmo-nos conta dos nossos hábitos, especialmente aqueles que podem trazer prejuízos para nossa saúde, segurança, plenitude é um primeiro passo em direção à mudança de comportamento desejada.

Para saber mais:
1. Aarts, H., Verplanken, B., & van Knippenberg, A. (1998). Predicting Behavior from the actions in the past: Repeated decision making or a matter of habit? Journal of Applied Social Psychology, 28(15), 1355-1374.
2. Bargh, J. (1994). The four horsemen of automaticity: Awareness, intention, efficiency, and control in social cognition. In R. S. Wyer, & T. K. Srull (Eds.), Handbook of social cognition (Vol. 1, pp. 1-40). Hillsdale, NJ: Lawrence Erlbaum.
3. Ronis, D. L., Yates, J. F., & Kirscht, J. P. (1989). Attitudes, decisions, and habits as determinants of repeated behavior. In A. R. Pratkanis, S. J. Breckler, & A. G. Greenwald (Eds.), Attitude structure and function (pp. 213-239). Hillsdale, NJ:  Lawrence Erlbaum Associates.

Fonte:  

Nenhum comentário:

Postar um comentário