Cadastre seu e-mail para receber nossas mensagens.

incluir retirar

09/04/2011

Respeito e Trânsito

Respeito às regas de trânsito

_ Vamos colocar o cinto, estamos chegando na polícia rodoviária. Não quero levar outra multa.

As leis de trânsito e toda a sinalização não foram criadas à toa. Antes da implementação, são realizados diversos estudos por especialistas. As principais finalidades dessas regras são a fluidez e a segurança no trânsito.

Esse respeito deve ser praticado para a garantia e promoção da segurança no trânsito e não apenas para escapar da multa.

Respeito aos limites do corpo

- Não sei por que essa “Lei Seca”, posso beber a vontade que to sempre bom pra dirigir.
- O Vadinho também falava isso e agora tá numa cadeira de rodas.
- O Vadinho é mais mole. Eu sou forte, comigo isso nunca vai acontecer.

Muitos motoristas se consideram “super-heróis”, ou seja, pensam que podem dirigir alcoolizados, ou que podem pegar a direção do veículo estando com sono que nada vai acontecer. Estão convictos que a violência viária só acontece com os outros.

Não existe super-herói, nosso corpo tem limites que precisam ser respeitados. Todas as pessoas que bebem ficam com falta de concentração, de visão e de reflexo, entre outros sintomas. Umas são mais sensíveis, outras menos, mas o efeito do álcool no organismo é evidente. Esse efeito não passa com cafezinho, nem com banho frio, apenas o tempo será capaz de eliminar o álcool do organismo.

Se não dormirmos o suficiente (em média 8 horas por noite), nosso organismo apresentará grandes alterações na atenção, na concentração e no tempo de reação. Os condutores precisam do horário de sono regular.

Respeito às condições adversas da luz e do tempo

As condições adversas são situações desfavoráveis que podem provocar uma violência viária. Respeitar as condições adversas é uma atitude de segurança e prevenção. Não podemos dirigir da mesma forma quando o tempo está ensolarado, ou chuvoso, por exemplo.

Excesso ou falta de luz

A luz natural ou artificial atua como condição adversa quando o seu excesso ou a sua falta dificultam a visibilidade necessária para o desempenho seguro na direção.

Nestas condições é necessário:

  • Ligar os faróis baixos, desde o pôr-do-sol até o amanhecer, mesmo em vias com iluminação publica.
  • Ao dirigir após o pôr-do-sol, Diminuir a velocidade e redobrar a atenção.
  •   Em estradas mal iluminadas, fixar o olhar pista de acostamento, faixas de sinalização, placas, olhos de gato, placas, entre outros.
  • Evitar olhar para os faróis de veículos em sentido contrário.  Olhar para a direita, nos pontos da via que sirvam de orientação, tais como os “olhos de gato” e a faixa de acostamento.
  • Se tiver dificuldade de enxergar à noite, não dirigir.
  • Ao entrar e sair de túneis, acender os faróis baixos e diminuir a velocidade, dando um tempo para os olhos se acostumarem à nova luminosidade.
  • Para proteger os olhos do sol, usar óculos escuros e a pala de proteção do veículo.

Chuva

Quando chove a pista fica muito escorregadia, dificultando a frenagem segura.

Nestes dias são necessárias as seguintes ações defensivas:

  • Acionar imediatamente o limpador de pára-brisas.
  • Aumentar a distância com relação ao veículo da frente.
  • Acionar a ventilação interna, para evitar o embaçamento e abrir “dois dedos” dos vidros laterais. Se a chuva estiver muito forte, estacionar o veículo e passar um anti-embaçante líquido.
  • Frear suavemente em pista molhada para evitar a derrapagem e o travamento de rodas.
  • Acender os faróis baixos, durante o dia. 
  •   Se a chuva estiver impedindo a visibilidade segura, procurar um local seguro e estacionar o veículo. Só parar no acostamento em caso de emergência, com as lanterna acesas.
  • Evitar ultrapassagens em chuva forte. Caso precise realmente fazer tomar o máximo de cuidado, o veículo que vai à frente pode levantar uma nuvem de água contraseu veículo.

Ventos fortes

Ventos laterais fortes provocam a desestabilização do veículo, principalmente em alta velocidade.  Quanto maior a velocidade do veículo, mais leve ele fica. É nessa situação que o veículo começa a balançar, podendo até se desgovernar.

Quando há ventos fortes, é necessário tomar os seguintes cuidados:

  • Reduzir da velocidade
  • Segurar o volante com firmeza e ficar atento às necessidades desvio, devido às lufadas de ar.
  • Deixar os vidros abertos para evitar a ação do vento.

Cerração e Neblina

A neblina e a cerração são fatores de risco para a circulação de veículos. Se houver neblina ou cerração, devem ser tomados os seguintes cuidados:

  • Redução da velocidade.
  • Usar as lanternas e as setas para alertar os outros motoristas.
  • Acender os faróis baixos para evitar o ofuscamento dos outros motoristas e enxergar melhor a pista.
  • Usar os faróis dos veículos em sentido oposto como referência, mas não olhar de frente.
  • Usar a sinalização da pista e os olhos de gato como apoios visuais. Mas, quando não existe sinalização, acompanhar a faixa de acostamento.
  • Nunca ultrapassar.
  • Aumentar a distância do veículo da frente e sinalizar cada movimento que fizer.
  • Ligar o limpador de pára-brisas.
  • Se estiver muito forte e não existir outra opção, parar no acostamento e aguardar até que ela diminua, tomando o cuidado de ligar o pisca-alerta.

 Respeito os outros

O trânsito é um espaço democrático, onde não há distinção de classe social, raça, idade, cultura. Todos têm os mesmos direitos e deveres, todos também correm o mesmo risco. No entanto, no dia-a-dia presenciamos, principalmente entre os condutores, várias manifestações de preconceito. Um deles é o preconceito contra a mulher motorista.

Frases do tipo “Mulher no volante perigo constante”, “Só podia ser uma mulher para fazer essa barbeiragem”, são ofensivas e sem argumentação. Opiniões de pessoas preconceituosas que ignoram as estatísticas.
 Com base no anuário estatístico do DENATRAN - RENAEST 2008, pode-se afirmar que em cada 20 veículos que circulam nas vias, apenas 6 são conduzidos por mulheres.

De cada 20 motoristas que se envolveram em acidentes de trânsito, em 2008, em média, 17 foram homens e 3 foram mulheres.

De cada 20 vítimas fatais por causa da violência no trânsito, 17 em média, foram do sexo masculino e 3 do sexo feminino.

De cada 20 feridos nas estradas, em 2008, em média 15 foram homens e 5 foram  mulheres. Vale lembrar que muitas mulheres são vítimas da violência no trânsito por que são passageiras em veículos conduzidos por homens.

“Perguntas que não querem calar”:

  • Por que as mulheres são consideradas um perigo no trânsito?
  • Qual a argumentação para essa acusação?
  • É mais seguro ir de carona com os homens ou com as mulheres?


É perceptível também o preconceito contra os idosos e os motoristas aprendizes. É importante reconhecer a falta de experiência do motorista jovem. A falta de agilidade do motorista idoso. Temos que aceitar essas diferenças, elas fazem parte do contexto do trânsito, todos os motoristas já foram aprendizes e todos ficarão idosos e também terão menos agilidade ao transitar.

Respeitar os outras significa também respeitar o espaço dos outros. Na época dos “Mamonas Assassinas”, eu tinha um vizinho que adorava eles, ouvia o dia todo o CD do grupo, era “roda, roda, roda, vira, vira, vira”, “o robô kop gay”, “você me deixa doidão”, eu sabia todas as letras, pois ele colocava o som com uma altura que todos os seus vizinhos tinham que participar sob pressão do seu prazer. Ocupava o meu silêncio, não podia ler, nem ver TV e escolhia, sem me consultar, o repertório musical que eu ia ouvir.

Essa falta de respeito ao espaço público e privado continua lá no trânsito.  É rotina vermos motoristas que circulam no acostamento, ciclistas que pedalam nas calçadas, pedestres que andam na ciclovia.
Irene Rios

3 comentários:

  1. Muito bom esse texto. Em citando a fonte, gostaria de saber se posso utilizá-lo para preparar algumas aulas.

    ResponderExcluir
  2. Este texto pode ser usados nas aulas.

    ResponderExcluir