Cadastre seu e-mail para receber as atualizações deste blog.

incluir retirar

11 de dez de 2009

Manual para mães e pais preocupados com os filhos

Publicação: 11 de Dezembro de 2009 às 00:00 Uma das cenas mais comuns no trânsito das cidades brasileiras é a de pais sentados nos bancos dianteiros do automóvel corretamente presos ao cinto de segurança, enquanto as crianças, atrás, estão soltas. Uma cena que, no mínimo, nos leva a pensar que esses pais não amam seus filhos, visto que, em um acidente, os adultos terão muito mais chances de sair ilesos, enquanto que as crianças serão arremessadas, podendo, inclusive, ser jogadas para fora do carro.

Para prevenir situações desse tipo, entrou em circulação no Brasil há alguns anos, um guia intitulado “Segurança no Transporte: Crianças e Gestantes”. Tem como co-autores especialistas da Abramet e da Sociedade Brasileira de Pediatria. Sua utilidade é tão grande que o Denatran (Departamento Nacional de Trânsito) encaminhou para a gráfica 300.000 unidades, que foram entregues a entidades e órgãos de trânsito de todo o País. A “Cartilha” explica, por meio de alguns conceitos básicos de física, os riscos que uma criança sentada no banco traseiro do carro sem o cinto de segurança sofre em caso de acidente ou freada brusca. A partir daí, mostra a necessidade do uso de cadeirinhas especiais e descreve as maneiras corretas de utilizá-las.

Há, também, uma seção demonstrando as aplicações de acessórios, como o “booster”, criado para transportar aquelas crianças que não cabem mais nas cadeiras específicas; uma sobre transporte escolar e outra explicando como uma gestante deve se portar dentro do carro e quando estiver ao volante. Todo o texto é acompanhado de ilustrações. O conteúdo do manual trata de uma preocupação antiga das autoridades de trânsito, qual seja: a educação para o uso de cadeirinhas e com a segurança das crianças. Cartilhas desse tipo deveriam ser editadas e distribuídas nas escolas de Natal. Elas cumpririam um papel essencial na conscientização sobre “segurança”. Por demorar a dar resultado, esse tipo de trabalho depende de muita ajuda. Por isso, a “cartilha” é fundamental.

Elas são entregues às crianças, que acabam passando o conhecimento para os pais. Outra forma de distribuição: em blitzes educativas espalhadas pelas estradas e na cidade.

Direitos

Vale salientar, que não há cobrança de direitos autorais daqueles que desejarem bancar a distribuição da “cartilha”. Entidades interessadas podem solicitar um CD ROM com o manual pronto par ser impresso no site da entidade http://www.abramet.org.br/. O ideal é que ela seja divulgada. Qualquer pessoa ou empresa que quiser imprimir terá acesso a ela e poderá colocar seu logotipo na mesma.  

Fonte:

Nenhum comentário:

Postar um comentário