Cadastre seu e-mail para receber as atualizações deste blog.

incluir retirar

10 de out de 2009

EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO - CAMINHO PARA REDUZIR A VIOLÊNCIA NO ASFALTO

Fernando Pedrosa A falta de educação de trânsito e a conseqüente violência que isso gera, já é uma preocupação mundial. Se a falta de educação leva ao subdesenvolvimento e mata a longo prazo, a falta de educação no trânsito é a prova viva desse desenvolvimento que mata de imediato. A educação é a principal ferramenta para chegarmos à solução para os problemas da extrema violência do trânsito brasileiro. Apesar de toda a moderna tecnologia empregada no controle das infrações e da possibilidade da presença inesperada de um agente de fiscalização com o seu arsenal de advertências e punições (guardas, pardais, semáforos, radares barreiras eletrônicas e multas), só um motorista consciente e responsável irá, independente de qualquer ameaça, apresentar um comportamento civilizado no trânsito.
Além desse comportamento condenável e até criminoso, falta ainda ao motorista brasileiro a prática cotidiana da cooperação e da gentileza que, no trânsito, resolveriam questões de relacionamento que a melhor engenharia teria dificuldade em resolver.
A nossa educação está carente de princípios e valores morais e éticos bem definidos. É na primeira infância que a criança forma os conceitos do bem e do mal, do certo e do errado. Quando os pais não deixam essas questões claras para os filhos, a formação desses conceitos fica prejudicada. Na estrada com a família, por exemplo, quando ultrapassamos outro veículo numa curva sob faixa contínua ou dirigimos em velocidade sempre superior à permitida estaremos passando de uma maneira muito forte e clara para nossos filhos que estão ainda em processo de formação de caráter, que mentir e enganar são valores que praticamos sem constrangimento.
Nós definimos nossos valores mais pelos nossos atos e exemplos do que pelas nossas palavras e sugestões. Esses comportamentos inadequados, aprendidos na infância, vão tomando dimensões maiores na adolescência, vão se enriquecendo com a força do grupo e terminam nesse “show de agressões” a que hoje assistimos estarrecidos em nossa sociedade.
Não existe falta de educação no trânsito. O que existe é falta de educação mesmo. O trânsito assim reflete o desrespeito ao próximo, a competitividade exacerbada e inconseqüente e sobretudo a prática costumeira de sempre levar vantagem.
Podemos comparar o trânsito a arena onde os romanos antigos se divertiam de forma sádica. Ao vestimos nossa armadura - o carro - nós nos tornamos poderosos, imbatíveis quase imortais. Um outro condutor e até mesmo o indefeso pedestre, são os nossos adversários que devemos abater violentamente e sem piedade. É este o comportamento geral que, inconscientemente, envolve o motorista imprudente e agressivo quando.
E de quem é, afinal, a responsabilidade pela educação para o trânsito?
Das autoridades de trânsito, dos Centros de Formação de Condutores e dos Agentes de Trânsito? No nosso entender é de toda a sociedade que deve estar comprometida com a cidadania e a qualidade de vida em busca de um trânsito civilizado e sem violência Fonte:

Nenhum comentário:

Postar um comentário